MENOPAUSA

 

A menopausa é uma das várias alterações naturais que ocorrem na mulher durante sua vida. A menopausa não é uma doença, nem mesmo um estado psicológico.

 

Simplesmente a menopausa consiste em uma alteração natural, fisiológica, em que há uma diminuição nos níveis de hormônios femininos, estrogênio e progesterona.

Derivada das palavras “meno”, que significa mês e “ pausis” que quer dizer pausa, a menopausa significa o fim de sues períodos menstruais, ou seja, a menstruação. A menopausa ocorre porque os ovários deixam de produzir os hormônios que controlam a menstruação – estrogênio e progesterona.

 

Este processo pode durar de 4 a 5 anos e durante esse período a mulher pode vir a ter menstruações irregulares, antes de terminarem completamente. Na maioria das mulheres, entre os 45 e 55 anos, os ciclos menstruais irai finalmente parar, o que significa que a menopausa ocorreu.   

 

A primeira fase da menopausa – chamada pré-menopausa – pode iniciar-se entre os 40 e 45 anos, contudo é impossível determinar exatamente quando essa fase começará. Nem a idade da sua mãe, nem a idade com a qual a mulher teve sua primeira menstruação são indicativos seguros.

 

Eis alguns dos primeiros sinais que indicam que a menopausa está próxima:

  • A menstruação aparece com intervalos cada vez maiores, chegando mesmo a ficar ausente por vários meses antes de recomeçar. Pode ainda ocorrer com maior freqüência – cada 21 ou 25 dias, por exemplo.

  • O fluxo menstrual pode alterar-se tornando-se mais ou menos intenso.

 O QUE PROVOCA A MENOPAUSA    

 

A menopausa é o sinal da natureza de que a função reprodutora está terminando. Com isso o organismo produzirá menos estrogênio e progesterona, que são os dois principais hormônios que controlam o aparelho reprodutor feminino.

 

Para entender porque os níveis de estrogênio diminuem na menopausa temos de voltar um pouco no tempo. Quando uma menina atinge a puberdade, por volta dos 12 a 14 anos, ela possui nos ovários todos os óvulos de que necessitará durante toda sua vida reprodutiva. Durante a fase reprodutora de uma mulher (da puberdade à menopausa), habitualmente em cada mês é liberado um óvulo para uma possível fecundação (gravidez). Essa liberação do óvulo ocorre juntamente com a produção cíclica de hormônios pelo ovário. Nas duas primeiras semanas o ciclo, logo após a menstruação, os ovários produzem estrogênio e, quando os estrogênios atingem a máxima produção, ocorre a ovulação. Durante as duas semanas seguintes, ocorre a produção de progesterona. Quando esta produção acaba, ocorre novamente a menstruação. Estes hormônios produzem não só modificações no corpo de uma adolescente, como também são responsáveis pela ocorrência mensal das menstruações. Com o passar do tempo, a mulher possui cada vez menos óvulos e seus ovários vão tendo cada vez menos atividade. Normalmente em torno dos 45 aos 55 anos, ela deixa de ovular e seus ovários deixam de produzir hormônios.

 

Isso significa que não só a gravidez deixa de ser possível, como também não terá mais menstruações e nem os hormônios que desempenham importante papel no seu organismo para a reprodução e para a sua saúde em geral.

 

OS PRIMEIROS SINTOMAS DA MENOPAUSA    

 

Apesar da mulher talvez estar ansiosa para nunca mais menstruar, o seu corpo poderá sentir falta do estrogênio que os ovários costumavam produzir. A maneira como seu organismo revela a falta de estrogênio é através dos seguintes sintomas:

Ø       - Ondas de calor (fogachos) são sentidas por 75% a 80% das mulheres que estão na menopausa;

Ø       - Aproximadamente 255 das mulheres sofrem com os fogachos durante 5 anos ou mais;

Ø       - Suores noturnos, ondas de calor que ocorrem à noite. Freqüentemente levam a perda de sono e a sensação de cansaço durante o dia.

Ø       - Insônia;

Ø       - Menor desejo sexual;

Ø       - Irritabilidade;

Ø       - Ressecamento vaginal, 30% das mulheres sentem a vagina seca, bem como perda de elasticidade do tecido vaginal após a menopausa. Isto pode levar a um aumento do risco de infecções.

Ø       - Dor durante o ato sexual;

Ø       - Vontade freqüente de urinar, acompanhada de dor e ardor;

Ø       - Mesmo antes da menstruação cessar completamente, 80% das mulheres começam a apresentar sintomas de falta de estrogênio.

 

OUTROS EFEITOS DA FALTA DE ESTROGÊNIO    

 

Além dos sintomas descritos existem outros efeitos mais sutis que podem começar na mesma época. O organismo da mulher pode não sentir imediatamente os efeitos, mas a longo prazo eles podem tornar-se graves. Esses efeitos são a osteoporose e o aumento de risco de doença cardíaca.

 

OSTEOPOROSE    

 

Termo médico que significa “ossos porosos” , a osteoporose é uma situação resultante da perda de massa óssea – os ossos passam a apresentar poros e enfraquecem, começando a causar dor. Tal fato aumenta o risco de fraturas ósseas, o que dificulta a vida no dia-a-dia e, pode nos casos mais graves, levar a mulher a ficar imobilidade na cama.

Uma em cada 4 mulheres sofre uma fratura decorrente da osteoporose por volta dos 60 anos. Aos 75 anos esse risco aumenta para uma em cada 2 mulheres. É importante lembrar que mais de 50% da quantidade total da perda óssea ocorre nos primeiros 7 anos da menopausa.

 

AUMENTO DO RISCO DE COENÇA CARDÍACA    

 

Antes de chegar na menopausa as mulheres têm muito menos problemas cardíacos ou de circulação sanguínea que os homens. Quando os níveis de estrogênio começam a diminuir na fase da menopausa, o risco de doença cardíaca ou circulatória aumenta consideravelmente nas mulheres. No entanto, estudos têm demonstrado que o estrogênio ajuda a evitar alterações indesejáveis nos níveis de colesterol, uma das causas que se encontra na origem de algumas doenças cardíacas.

 

O QUE VOCÊ PODE FAZER PARA AJUDAR A SI PRÓPRIA DURANTE A MENOPAUSA? 

 

NUTRIÇÃO    

Uma boa dieta é fundamental para uma boa saúde em todas as idades. Durante a menopausa a mulher pode necessitar de uma quantidade extra de vitaminas e sais minerais, especialmente cálcio. A ingestão de alimentos ricos em cálcio é igualmente importante para a manutenção da massa óssea.

 

FUMO    

O hábito de fumar é um fator que, por si só, aumenta a possibilidade de doenças cardíacas e pode também favorecer o aparecimento da osteoporose. Assim, se você é fumante procure eliminar esse hábito.

 

TRANQÜILIDADE E REPOUSO    

Um sono tranqüilo é sempre bom. Dê a si mesma tempo suficiente para dormir e evite beber café ou chá antes de deitar. E procure repousar e estar descontraída e livre do estresse e tensões.

 

EXERCÍCIO    

Em conjunto com uma dieta adequada, o exercício é a melhor forma para manter o tônus muscular. Evite engordar durante e após a menopausa. A manutenção do peso e boa forma física irão ajudar a mulher a sentir-se mentalmente positiva.

 

TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL    

Independentemente do que come, do quanto dorme ou do tipo de exercícios que faz, a mulher pode ainda ser afetada pelos sintomas da menopausa originados pela falta de estrogênio. Para muitas mulheres a terapia de reposição hormonal tem sido uma boa resposta.  Como este é um método ainda polêmico é aconselhável que a mulher procure reunir todas as informações disponíveis sobre o assunto, conversar detalhadamente com seu médico, a fim de decidir qual o tratamento mais indicado, em seu caso, para diminuir os efeitos da menopausa sobre seu organismo.

 

 

 

Home
Sindicato às Ordens
Histórico
Base Territorial
Diretoria
Convênios
Convenções Coletivas
Piso Varejista
Info O Comerciário
Galeria de Fotos
Mural
Dia do Comerciário
Feriados Nacionais
Ginásio Poliesportivo
Barraca de Praia
Salão de Beleza
Videoteca
Kit Bebê
Fale Conosco
Associe-se Já
Homologacões